Loading...

sexta-feira, 2 de março de 2012

14 de maio de 1948 – A Figueira brotou- ISRAEL.


Jerusalém agora estava deserta e seus filhos espalhados pelas nações estrangeiras. Israel deixa de ser uma nação. Mais, as profecias apontavam para um dia em que eles – os judeus – seriam repatriados e Israel voltaria a ser um Estado novamente.
“Ezequiel 37.11-13 diz:” Então me disse: Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; nós mesmos estamos cortados. Portanto profetiza, e dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu abrirei os vossos sepulcros, e vos farei subir das vossas sepulturas, ó povo meu, e VOS TRAREI à terra de Israel. E sabereis que eu sou o SENHOR, quando eu abrir os vossos sepulcros, e vos fizer subir das vossas sepulturas, ó povo meu.
Isaias 66.8 diz: "Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos."

Em 29 de novembro de 1947, uma resolução prevendo a criação de um Estado Judeu Independente na Terra de Israel foi adotada pela Assembléia Geral das Nações Unidas, a qual solicitou dos habitantes do país que tomassem as medidas necessárias para a execução deste plano.

“Nós declaramos que a partir do término do Mandato, às 16 horas do dia 14 de maio de 1948, e até que os órgãos constitucionais regularmente eleitos entrem em função conforme uma Constituição, que deverá ser estabelecida por uma Assembléia Constituinte até 10 de outubro de 1948, o presente Conselho atuará como Assembléia do Estado; e seu órgão executivo, a Administração Nacional, constituirá o Governo Provisório do Estado de Israel....
...Confiante no eterno Todo-Poderoso, nós assinamos esta Declaração, em solo pátrio, na cidade de TEL AVIV, nesta sessão da Assembléia Provisória do Estado. Realizada nesta véspera de sábado, 5 de Iyar de 5708, 14 de maio de 1948”. (ONU)

Ao reportar-se à sua segunda vinda, Jesus apontou como sinal de sua iminente volta os fatos ocorridos neste dia.

S. Lucas 24.32-34: “Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário